Siga nas redes sociais

Futebol

STJD pune Gabigol, do Flamengo, com advertência por expulsão contra o Bahia

Atacante do Flamengo, Gabriel Barbosa, o Gabigol, foi julgado na manhã desta sexta-feira pela Quinta Comissão Disciplinar do STJD pela expulsão no jogo contra o Bahia, em dezembro, pela 26ª rodada do Brasileirão. Ele foi enquadrado duas vezes no mesmo artigo por ofensas à arbitragem, com possibilidade de pena cumulativa que poderia chegar a 12 jogos de gancho. A decisão do tribunal em primeira instância, porém, foi de absolver o jogador em uma das acusações e aplicar somente uma advertência na segunda.

Apesar da absolvição, a procuradoria ainda pode recorrer. Em casos que entendem necessário, a procuradoria pede o acórdão e analisa com o procurador-geral se recorrem ou não.
+ Veja a classificação do Campeonato Brasileiro

 

Auditor relator do caso, Eduardo Mello votou pela absolvição integral do atacante do Flamengo. Os auditores Gustavo Henrique Caputo (DF), Alessandra Paica (RS) e João Gabriel Maffei Balthar (RJ) acompanharam o voto. Por sua vez, Vanderson Maçullo Braga Filho, presidente em exercício da comissão, decidiu absolver Gabigol no primeiro artigo e advertê-lo no segundo. Ele justificou que as palavras “Agora, sim, eu vou falar: vai tomar no c*” tiveram o tom de deboche e que, por isso, ele merecia a advertência.

O Flamengo venceu o jogo com o Bahia por 4 a 3, mas o camisa 9 rubro-negro recebeu cartão vermelho aos nove minutos do primeiro tempo. Flávio Rodrigues de Souza afirmou que o atacante o mandou “tomar no c…”. Gabigol ficou inconformado e levou quase cinco minutos para deixar o campo.

Como foi denunciado duas vezes no artigo 258 II do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), que trata de desrespeitar a arbitragem, a pena poderia chegar a 12 jogos de suspensão. Isso porque a denúncia foi feita de acordo com o artigo 184, que determina a aplicação cumulativa das penas no caso de duas infrações.

Além da pena para Gabigol, o STJD também determinou o retorno do processo sobre Bruno Henrique, do Flamengo, que no duelo com o Goiás, pela 11º rodada do Brasileiro, atingiu o rosto do volante Breno, que fraturou o nariz. Antes, a comissão disciplinar havia entendido que não havia motivo para reconhecer a denúncia, pois o lance não fugiu da visão da arbitragem. O caso será analisado na próxima sessão da Terceira Comissão Disciplinar no artigo de jogada violenta, que prevê pena de um a seis jogos de suspensão.

Fonte: Globo Esporte

Facebook Comments

Mais em Futebol

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com