O lateral-esquerdo Ramon, do Flamengose envolveu em um acidente neste sábado (4), na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro, ao atropelar um ciclista, que não resistiu e morreu.

Em laudo divulgado pela Polícia Civil do Rio de Janeiro, ficou informado que o jogador não apresentou sinais de embriaguez após o acidente, confirmando a versão que já havia sido divulgada.

“A 16ª DP (Barra da Tijuca) instaurou inquérito para apurar um atropelamento ocorrido na Avenida das Américas, na Barra da Tijuca, neste sábado (04/12). A perícia foi realizada no local. O motorista prestou depoimento na delegacia e não apresentava sinais de embriaguez. Diligências estão em andamento para coletar imagens de câmeras de segurança e informações a fim de esclarecer todos os fatos”, escreveu a Polícia em comunicado.

Ramon chamou a ambulância e solicitou atendimento à vítima de forma imediata. Jonatas morreu a caminho do hospital . Em seguida, foi para a 16ª Delegacia de Polícia, também na Barra da Tijuca, para prestar depoimento.

Neste domingo, o jogador divulgou nota oficial se pronunciando pela primeira vez sobre o ocorrido, declarando que dirigia dentro do limite de velocidade do local.

Confira a nota na íntegra:

“Primeiramente preciso lamentar o trágico acidente no qual me envolvi na noite do último sábado (04), na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Acidente este que acabou vitimando o sr. Jônatas Davi dos Santos.

Reafirmo o respeito às leis de trânsito e ressalto que estava dentro da velocidade permitida, quando fui surpreendido por Jônatas, que estava em uma bicicleta. Reforço que, logo após o acidente, acionei o socorro e permaneci no local prestando todo o auxílio e informações às autoridades. Em depoimento na 16ª Delegacia de Polícia, na Barra da Tijuca, me coloquei à disposição para colaborar com as investigações do caso.

Nesse momento de dor e sofrimento para todos os envolvidos, estou buscando forças para auxiliar em tudo o que for necessário a família da vítima. Estamos em contato com a família do Jônatas para dar o suporte necessário e colaborar com possíveis despesas do sepultamento. É um momento de muita tristeza e comoção, mas também é um momento de respeito e amor ao próximo. Vamos passar por isso juntos”.