O Flamengo venceu o Santos por 4 a 0, na Vila Belmiro, mas poderia ter sido mais. É o que acredita técnico Renato Gaúcho. Em entrevista coletiva após o jogo valido pela 18ª rodada do Brasileirão, o treinador analisou o confronto e destacou que o Rubro-Negro poderia ter conseguido um placar mais elástico sobre o Peixe.
– A equipe, mais uma vez, se comportou muito bem, principalmente na parte tática. O Santos, praticamente, não criou, tiramos todas as jogadas fortes, anulamos todas as jogadas do Santos. Tivemos a tranquilidade e a competência de trabalharmos bem a bola, construímos os espaços. Conseguimos fazer quatro gols, mas poderíamos ter feito mais gols. A gente tem feito os gols, praticamente, no segundo tempo. Isso demonstra que o trabalho está muito bem feito – analisou.
Com o resultado, o Flamengo chegou aos 31 pontos e dorme na quarta colocação da tabela. Por causa da Data FIFA, o próximo compromisso do time de Renato Gaúcho acontece apenas no dia 12 de setembro, contra o Palmeiras, em São Paulo.

– Quanto à folga, devido a essas viagens que a gente está tendo seguidas, o desgaste está sendo muito grande, pessoal está há muito tempo longe da família. Então, merecidamente, eu dei folga para eles até quarta-feira à tarde. Até porque a gente só volta a jogar no próximo dia 12, diante do Palmeiras. Eles merecem esse dia para que possam descansar e passem com as suas famílias.

Veja mais declarações de Renato Gaúcho

PROVOCAÇÕES A GABI

– Às vezes ele encontra, também, uns chatões do outro lado. A gente sabe o quanto ele é chatão aqui (risos). Mas ele levou na brincadeira até porque ele jogou aqui, conquistou também. Na época que eu jogava, sempre falava, no momento que o adversário está te provocando, eles te respeitam, eles têm medo. Acho que o mais importante é que, não só eu, mas todo mundo fala para o Gabriel para ele se preocupar somente em jogar. Foi o que ele fez, fez os três gols, poderia ter feito até o quarto, quinto gol, mas tá de bom tamanho. Ele tem nos ajudado bastante, a gente segura um pouquinho ele, troca bastante ideia com ele, dou conselho a ele justamente para que não tome cartão, nem amarelo nem vermelho para que ele não prejudique a equipe e se prejudique.

– Eu falo para ele que tudo o que faz dentro do campo, o treinador da Seleção Brasileira também está observando. Então, é preciso que ele tome cuidado com isso. Mas ele tem tomado cuidado, acho que a maior prova disso, o que ele poderia fazer em resposta às provocações eram os gols. Falei pra ele “faz o gol, é a melhor resposta, você não tem que falar, você é o Gabigol”.

ANDREAS PEREIRA

– Foi bem, é um jogador que já conhecia, chegou, tem muita qualidade. É garoto, está louco para ter espaço na equipe, como todos os outros companheiros. Ele vinha de uma pré-temporada e eu conversei com ele antes mesmo dessa viagem para Porto Alegre. Falei que era interessante ele viajar com o grupo para conhecer o grupo, conhecer seus companheiros, a maneira que o Flamengo joga.

– Enfim, ele interagir juntamente com o grupo e, dentro do possível, iria aparecer a oportunidade para ele. Contra o Grêmio, nós estávamos em dez, e ele está sem ritmo de jogo, era muito arriscado colocá-lo para jogar até porque o Thiago (Maia) também vem muito bem, com Arão e com o Diego que vem jogando muito bem.

MATHEUZINHO E THIAGO MAIA

– É ótima a fase deles, é ótima a fase dos seus companheiros, é ótima a fase do time que vem jogando. Eu, diariamente, falo para eles treinarem forte para que eles possam jogar forte. Então, isso eles têm feito, estão tendo todo o cuidado na parte física, na parte técnica. Eles têm se cuidado na fisioterapia. Então, essa é a resposta de um trabalho que está sendo muito bem feito em todos os setores do clube. Não adianta apenas um setor andar. Todos os setores estão andando muito bem.

– Toda vez que eu chamo um jogador, ele vem muito bem, não só o Maia e o Matheuzinho. É uma dor de cabeça não só nessas duas posições. É uma dor de cabeça boa, agradável, gosto desse tipo de dor de cabeça. É muita qualidade junta.