WILLIAN ARÃO: Cada vez mais à vontade na nova função, aumentou a segurança da bola aérea defensiva e qualidade do passe. NOTA 7,5
GUSTAVO HENRIQUE: Em progressão, tem superado a desconfiança do torcedor com atuações consistenses, com poucos erros. NOTA 7
FILIPE LUÍS: Boa opção pela esquerda com Bruno Henrique. Ficou mais recuado no segundo tempo. NOTA 6,5
DIEGO: Muito aguerrido na marcação, ditou a temperatura no meio de campo, qualificando a saída de bola. NOTA 7
JOÃO GOMES: Um cão de guarda na marcação. Cumpriu bem sua função. NOTA 6,5
GERSON: Ao olhos da comissão técnica da Seleção, esbanjou versatilidade, com muita qualidade na armação. Saiu machucado. NOTA 7,5
PEPÊ: Entrou no fim. SEM NOTA
EVERTON RIBEIRO: Foi o motorzinho no meio de campo. Não desequilibrou, mas foi eficiente na transição. NOTA 7
ARRASCAETA: XXXX. NOTA X
VITINHO: Não conseguiu dar fluidez e velocidade às jogadas. NOTA 5
BRUNO HENRIQUE: o 14º gol em clássicos pelo Flamengo, registrou o 100º da carreira. Sofreu o pênalti convertido e deu trabalho pela esquerda. NOTA 7,5
MICHAEL: Entrou no fim. SEM NOTA
GABIGOL: Tem crescido na reta final do Brasileiro. Com muita mobilidade e raça, incomodou. Mostrou categoria na cobrança de pênalti. NOTA 8
PEDRO: Brigou em busca do gol, mas não teve uma chance clara. NOTA 6
ROGÉRIO CENI: Bem posicionado e com maior posse de bola, o Flamengo dominou o primeiro tempo. A equipe diminuiu o ritmo no segundo, mas, ainda assim, foi mais incisivo quando quando atacou. NOTA 7