Flamengo empata com o Racing e volta da Argentina com vantagem
Siga nas redes sociais

Futebol

Flamengo empata com o Racing e volta da Argentina com vantagem

Publicado

em

EnoscjcVgAAuE3F

Racing e Flamengo protagonizaram uma partida tensa, cheia de possibilidades de um placar mais elástico, mas o empate em 1 a 1 no Estádio El Cilindro, em Buenos Aires, deixou tudo em aberto para a volta das oitavas da Libertadores. Fertoli inaugurou o placar para os mandantes, Gabriel Barbosa respondeu aos 14 minutos do primeiro tempo. E parou por aí, mas não por falta de tentativa. Os mandantes tiveram dois gols anulados e o Fla um, todos acertadamente.

Com o resultado, o time de Rogério Ceni recebe o Racing na próxima terça-feira, no Maracanã, com uma pequena vantagem: o empate de 0 a 0 garante o Rubro-Negro nas quartas de final da Copa por conta do gol marcado fora de casa. Quem vencer, avança, por sua vez, enquanto um novo empate em 1 a 1 levará a decisão por pênaltis. Qualquer outro empate serve ao time argentino.

RACING EXPLORA FRAGILIDADE DO FLA, QUE RESPONDE COM GABIGOL

Animado por contar com Everton Ribeiro, Arrascaeta, Bruno Henrique e Gabriel Barbosa iniciando uma partida juntos após três meses, o Flamengo se viu com um problema ainda no aquecimento: Isla, com dores na coxa direita, não foi a campo e Rogério Ceni optou por improvisar Renê na lateral-direita. Como era de se esperar, a troca fez o time perder ofensividade por aquele lado. Everton Ribeiro, que costuma fazer boa dupla com o chileno, não teve o apoio de Renê.

O maior problema do Rubro-Negro, contudo, foi o mesmo das últimas partidas; a insegurança e as falhas defensivas. Ciente disso, o Racing começou exercendo forte pressão na saída de bola, especialmente em cima de Léo Pereira e Thuler. O início foi problemático para o Flamengo, que viu Fertoli abrir o placar aos 12.

O meia Fabrício Domínguez, aposta certeira de Beccacece para o jogo, deixou Filipe Luís e Gerson para trás e, no vacilo geral da zaga, o camisa 7 do Racing apareceu livre na pequena área para fazer 1 a 0. Diego Alves também vacilou, deixando o espaço entre o seu corpo e a primeira trave, onde a bola passou.

A resposta do Flamengo foi imediata, em lance que fez o torcedor rubro-negro lembrar dos grandes momentos vividos na última temporada. Bruno Henrique arrancou pela esquerda, deixou o marcador para trás e cruzou para Gabigol na área. O camisa 9 não teve dificuldades para empurrar a bola para as redes: 1 a 1 aos 14 minutos. O Racing não conseguiu manter a pressão por todo o tempo, mas seguiu encontrando espaços e foi para o intervalo com mais finalizações (7 a 3), mas, em chutes certos, houve igualdade. Por um lado, Lisandro López fez Diego Alves ir ao chão em cabeçada, enquanto Bruno Henrique acertou a trave.

IMPEDIMENTOS MANTÊM O PLACAR INALTERADO

O início da segunda etapa foi como o da primeira: Racing marcando o rival em seu campo de ataque. Contudo, o time de Beccacece “trocou de lado”, percebendo a dificuldade de Renê em fechar a linha de fundo com o pé direito. Aos cinco minutos, em dois cruzamentos de Mena, Lisandro López já havia tido um gol anulado (corretamente por impedimento) e perdido outra chance clara. Nos dois lances, Léo Pereira e Thuler não conseguiram interceptar os passes.

Pelo Flamengo, quem levou perigo à meta de Arias foi Vitinho, que entrou no lugar de Gabigol aos 11. Contudo, o camisa 11 estava impedido nos dois lances: no primeiro, serviu Arrascaeta que chegou a balançar a rede; no segundo, o goleiro argentino fez boa defesa e espalmou para escanteio, mas já não valia.

A partir dos 25, o Racing aparentou sentir o cansaço. O Flamengo, com maior participação de Everton Ribeiro, Arrascaeta e Vitinho, passou a dominar as ações ofensivas, mas seguiu vacilando lá atrás. O time argentino chegou a marcar o segundo gol, mas impedimento foi assinalado pelo juiz corretamente.

Com a expulsão de Thuler, após revisão no vídeo, Rogério Ceni entendeu que o empate em 1 a 1 estava de bom tamanho, e o Flamengo valorizou o resultado – e o tempo, com três trocas – a partir dos 35, e o Racing não foi capaz criar mais.

FICHA TÉCNICA
RACING 1X1 FLAMENGO

Estádio: El Cilindro, em Buenos Aires (ARG)
Data e hora: 24 de novembro de 2020, às 21h30
Árbitro: Alexis Herrera (VEN)
Assistentes: Jorge Urrego (VEN) e Lubin Torrealba (VEN)
Árbitro de vídeo: Jesus Valenzuela (VEN)

Gols: Fertoli (1-0, 12’/1ºT) e Gabriel Barbosa (1-1, 14’/1ºT)

Cartão amarelo: Fabrício Domínguez e Sigali (RAC); Gerson (FLA)
Cartão vermelho: Thuler e Natan (FLA)

RACING (Técnico: Sebástian Beccacece)

Arias; Fabrício Dominguez (Pillud, 20’/2ºT), Sigali, Nery Dominguez, Soto e Mena; Reniero, Miranda, Matías Rojas e Fertoli (Godoy, 45’/2ºT); Lisandro López

FLAMENGO (Técnico: Rogério Ceni)

Diego Alves; Renê (Gustavo Henrique), Thuler, Léo Pereira e Filipe Luís; Willian Arão, Gerson, Everton Ribeiro (João Gomes, 39’/2ºT) e Arrascaeta (Diego, 39’/2ºT); Bruno Henrique e Gabriel Barbosa (Vitinho, 11’/2ºT)

Gostou da notícia?

Então, nos siga em todas nossas redes sociais como o Twitter, o Instagram e o Facebook. Assim, você poderá acompanhar todas as notícias sobre o nosso Mengão!

Futebol

Video: Léo Pereira bate boca com torcedor do Flamengo após deixar gramado do Maracanã; assista

Publicado

em

51505279453 462aecdb32 k

Nem tudo foram flores na vitória do Flamengo por 2×0 sobre o Barcelona-EQU na partida de ida da Libertadores. Após entrar no lugar de David Luiz aos 12 minutos do segundo tempo, Leo Pereira foi expulso aos 43 depois de agredir o zagueiro León, do time equatoriano.

Constantemente cobrado pelos torcedores do Flamengo, a atitude de Leo Pereira não foi perdoada. Em vídeo que circula nas redes sociais é possível ver um torcedor cobrando o defensor e dentre alguns palavrões, ele fala ao camisa 4: “Tem que jogar, não é pra entrar e ser expulso”. O zagueiro, que estava se dirigindo ao vestiário, volta e ainda discute com o torcedor – mas não é possível ouvir o que ele diz.

Fonte: O Dia

Gostou da notícia?

Então, nos siga em todas nossas redes sociais como o Twitter, o Instagram e o Facebook. Assim, você poderá acompanhar todas as notícias sobre o nosso Mengão!
Continue lendo

Futebol

Não duvido que esse Flamengo vá para Guayaquil e goleie, diz Milly Lacombe

Publicado

em

51504108712 8296bd1f7e k

O Flamengo venceu o Barcelona de Guayaquil por 2 a 0 no Maracanã, no primeiro jogo pelas semifinais da Libertadores, mas correndo alguns riscos, com o time equatoriano exigindo participação importante do goleiro Diego Alves, principalmente durante o primeiro tempo, mas também em uma oportunidade na etapa final.

No UOL News Esporte , Milly Lacombe minimiza os riscos corridos pelo Flamengo no setor defensivo e destaca a maneira de jogar futebol sem a preocupação apenas em não sofrer gols, comparando com o que ocorreu no jogo da noite anterior, entre Palmeiras e Atlético-MG, na outra semifinal da competição continental.

“O Flamengo joga e deixa jogar, o que a gente vê o Flamengo fazer é futebol, o que a gente está vendo é futebol e o futebol é jogado, você se coloca em condições de vulnerabilidade e aí o adversário pode eventualmente fazer um gol, não é como, por exemplo, aquele Atlético-MG e Palmeiras que a gente viu, o Atlético-MG fez 22 faltas. É uma tática? É uma estratégia de jogo você fazer faltas? É discutível, sim, pode ser, algumas faltas são necessárias, mas é um não-futebol, ninguém se encanta com aquilo, ninguém se emociona com aquilo, não tem absolutamente nada acontecendo”, diz Milly.

“Em geral, quando esse Flamengo entra em campo, você vê futebol, mesmo quem não é flamenguista gosta de ver o que está acontecendo. E é isso, você tenta fazer um gol e às vezes vai obviamente ficar numa situação de talvez sofrer um gol, só que eu não duvido, por exemplo, que esse Flamengo vá lá para Guayaquil e goleie, é possível que isso aconteça, porque o time da casa vai ter que sair para jogar, para tentar fazer o gol e vai ficar exposto, e esse Flamengo, com esse time, pode fazer quatro”, completa.

A jornalista discorda de parte das críticas feitas ao técnico Renato Gaúcho em relação à organização do time dentro de campo e pontua como principal fator da equipe a forma como existe uma aproximação entre os jogadores sempre em que a posse de bola é do Rubro-negro.

“É um time que todo mundo que gosta de futebol quer ver jogar e tem Renato Gaúcho ali sim, é um time que joga por aproximação, um jogador do Flamengo com a bola nunca está sozinho, ele sempre tem para quem passar essa bola de uma maneira muito próxima, é bacana ver o que está acontecendo ali”, diz Milly.

“Acho que tem o Renato Gaúcho em uma situação de dizer ‘divirtam-se’, consigo enxergar isso, que eu já acho também que é uma enormidade, e tem Renato Gaúcho no futebol tático e estratégico de ninguém nunca estar sozinho, tem solidariedade ali, ele vai mexendo no time e isso nunca é diferente”, conclui.

Fonte: Uol

Gostou da notícia?

Então, nos siga em todas nossas redes sociais como o Twitter, o Instagram e o Facebook. Assim, você poderá acompanhar todas as notícias sobre o nosso Mengão!

Continue lendo

Futebol

Renato elogia rival e exalta vitória do Flamengo: “É uma vantagem muito grande”

Publicado

em

51504904821 c15f41a10c k

Venceu, abriu vantagem e colocou um pé na final de Montevidéu. Em dia de grande público no Maracanã, o Flamengo esteve longe de dar espetáculo, mas o 2 a 0 sobre o Barcelona pela semifinal da Libertadores deu uma boa vantagem para a partida de volta, em Guayaquil, daqui a uma semana. Renato foi questionado sobre a atuação da equipe e valorizou o resultado.

Mesmo com um a mais durante todo o segundo tempo, o Flamengo não conseguiu ampliar a vantagem. As mudanças do treinador não surtiram efeito. O foco, por sua vez, esteve no resultado construído com dois gols de Bruno Henrique:

– O Diego (Alves) teve uma grande atuação. Dei os parabéns a ele e ao grupo no vestiário. O Barcelona não chegou aqui como convidado, chegou por méritos e eliminando grandes equipes. Sabíamos que seria um jogo pegado e aberto. Conseguimos fazer os dois gols. Mesmo com um homem a menos, eles souberam sofrer no segundo tempo. Tivemos chances e não fizemos. Mas está de bom tamanho.

“O 2 a 0 é uma vantagem muito grande para a segunda partida. Até porque, existe gol qualificado na Libertadores”

Com a vantagem de poder perder por até um gol de diferença, o Flamengo encara o Barcelona por uma vaga na final da Libertadores na próxima quarta-feira, no Estádio Monumental de Guayaquil, às 21h30 (de Brasília). Antes, porém, tem pela frente o confronto com o América-MG, domingo, às 11h, no Independência, pela 21ª rodada do Brasileirão.

Confira outros trechos de entrevista de Renato

Apoio a Isla

– Ele tem todo apoio do presidente, da diretoria, da comissão, dos jogadores, e pode ter certeza de quase toda a torcida do Flamengo. As redes sociais são um problema. Você recebe uma crítica e nem sabe de onde vem. A melhor resposta foi do torcedor que está de parabéns no Maracanã. Ele é um jogador que se entrega, é querido pelo grupo e vem nos ajudando. A melhor resposta foi a manifestação por parte do torcedor.

Andreas como meia

– Não gosto de improvisar, sempre falo isso. Uma coisa é você improvisar tendo jogadores da posição, outra é não tendo. O Arrascaeta está entrega ao DM. O Vitinho vinha bem até, mas estávamos perdendo o meio. Colocamos o Andreas de um lado, o Thiago de outro e seguramos o Arão. O Andreas de vez em quando será colocado na meia. Não só ele. Coloquei o Gabriel pelo lado direito, o jogador tem esse direito. Vitinho começou a partida, não tínhamos outro meia. São jogadores com características que sabem jogar em mais de uma posição.

Por que tirar Andreas?

Trouxe o Everton para dentro, abri os volantes e tínhamos um homem a mais. Coloquei Michael, Pedro e Gabriel em cima da defesa do Barcelona para fazermos o terceiro gol. Quando você tem um homem a mais, precisa tirar proveito disso. Foi o que eu tentei fazer.

Críticas após derrota para o Grêmio

– As críticas são válidas como os elogios. Sou treinador, estou há muito tempo nesta profissão, e costumo falar que o homem lá de cima não agradou a todos. Não é o Renato que vai conseguir. Tento fazer sempre o que é certo. Se cada partida que um jogador não corresponder eu tirar, vou precisar de 300 jogadores. Faz parte, nem todos vão jogar bem todos os jogos.

Disputa por posição

– Estamos em três competições, tem espaço para todo mundo. Independentemente da competição, o importante é o jogador estar preparado. Por isso, o presidente criou um grupo grande e preparado. Procuro rodar bastante o grupo.

Organização ofensiva

– Coloquei o Vitinho, depois o Andreas e por fim o Ribeiro. O time é acostumado com o Arrascaeta, que é um jogador acima da média. O Vitinho até fez uma boa partida, errou alguns lances, mas teve participação em lances importantes. Ele não é jogador daquela posição. Assim como o Andreas quando adiantei para uma posição que faz tempo que ele não jogava. Não adianta achar que quem entrar na posição do Arrascaeta vai ter as mesmas condições. Por isso, ele faz falta.

Riscos do Barcelona

– É um time bem treinado e que tem bastante força. Não chegou por convite em semifinal da Libertadores, chegou por mérito. Eles abriram para buscar o gol, tiveram oportunidades, e o Diego teve uma grande atuação. Lá é outro jogo, eles vão deixar espaço. A vantagem é grande de dois gols, tem gol qualificado. O Barcelona não chegou por acaso, é só olhar quem estava na chave deles e quem eles eliminaram.

Fonte: Globo Esporte

Gostou da notícia?

Então, nos siga em todas nossas redes sociais como o Twitter, o Instagram e o Facebook. Assim, você poderá acompanhar todas as notícias sobre o nosso Mengão!
Continue lendo




WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com